Véspera.

    Escrever simples versos de amor, mas que falem pra você, e que falem de nós dois. Usar palavras frágeis pra explicar um sentimento tão forte, que me tira o sono e leva embora toda sensatez daqui.
Olha pra mim! Me diz: você não sente nada? Me peça pra sair e não mais voltar aqui, pra falar do que sinto, e nem cantar as canções que eu fiz pensando em te fazer feliz. Diga também que nada vai existir, nada entre nós. Diga que se arrependeu do pouco que foi o tudo que já nos aconteceu. Por favor me diga e eu desisto de vez e entrego-te de volta tudo que é seu. Pra não lembrar do teu sorriso cada vez que olhar a foto em cima da estante na sala de estar.
Ou me ensina, então, como te amar, de maneira que tu me queira bem e eu queira a ti também.

Anúncios

Felicidade.

Estou feliz, não sei porque, nem sei se devo realmente estar. Mas o importante é que me sinto assim, agora ao menos, depois daqui eu já não sei, nem ouso em tentar descobrir. O bom da vida são suas surpresas. Por falar em surpresas, por que você não me faz uma? Nossa, o tempo voa, a gente não percebe o tempo. Faz algum tempo que não te vejo, nem te ouço, nem se quer tenho notícias suas. Por onde andas? O que fazes? Com quem andas? […] Esses dias andei lendo algumas coisas, que são bastante interessantes, lindas…boas para refletir. Escolhi a melhor para o momento, de um alguém que adimiro: Vinícius de Moraes.

Ausência
Vinícius de Moraes.
Eu deixarei que morra em mim o desejo de amar os teus olhos que são doces
Porque nada te poderei dar senão a mágoa de me veres eternamente exausto.
No entanto a tua presença é qualquer coisa como a luz e a vida
E eu sinto que em meu gesto existe o teu gesto e em minha voz a tua voz.
Não te quero ter porque em meu ser tudo estaria terminado.
Quero só que surjas em mim como a fé nos desesperados
Para que eu possa levar uma gota de orvalho nesta terra amaldiçoada
Que ficou sobre a minha carne como nódoa do passado.
Eu deixarei… tu irás e encostarás a tua face em outra face.
Teus dedos enlaçarão outros dedos e tu desabrocharás para a madrugada.
Mas tu não saberás que quem te colheu fui eu, porque eu fui o grande íntimo da noite.
Porque eu encostei minha face na face da noite e ouvi a tua fala amorosa.
Porque meus dedos enlaçaram os dedos da névoa suspensos no espaço.
E eu trouxe até mim a misteriosa essência do teu abandono desordenado.
Eu ficarei só como os veleiros nos pontos silenciosos.
Mas eu te possuirei como ninguém porque poderei partir.
E todas as lamentações do mar, do vento, do céu, das aves, das estrelas.
Serão a tua voz presente, a tua voz ausente, a tua voz serenizada.

” Quando você pensou que tudo tinha acabado
Você podia sentir isso ao seu redor
E todo mundo quer te pegar
Não deixe isso te puxar para baixo”
Everything not Lost, by Coldplay

Antenas de Tv.

Fecho os olhos
Fecha-se o tempo
O dia se vai

Fecha a porta
Acaba o tempo
A chuva vem

O telefone
Que não toca
Onde está você?

Se a chuva cair?
Se o amanhã não chegar?
Onde vamos estar?
E de mim, o que será?

Sobre mim
Só o céu
E as atenas de TV

Tanta gente
Ao meu redor
Mas nenhuma igual a você

Uma canção
Um céu
O mesmo Sol

Se o sol não nascer?
Se o amanhã não chegar?
Onde vamos estar?
E de mim, o que será?

Abril passado.

Como muitos não leram este meu velho texto resolvi postar aqui. Para os que leram, comentem. 

 “Talvez a vida seja uma canção que você tem medo de cantar.”
Essa foi uma boa frase que me fez pensar:
Se a vida fosse um dia, como eu iria viver?
Aproveitaria cada minuto como o último
Esqueceria todos os medos que tive
Lembraria de todas as pessoas que me fizeram feliz
Todos inimigos que ajudei a ver que estavam errados
Todos os amigos com quem vivi
A primeira vez que eu te vi.
Eu lembraria da solidão em forma de deserto
E da esperança que vem em forma de chuva.
É difícil pensar no fim de uma jornada única pra você
Eu me tremo todo ao pensar que nunca mais eu os verei de novo
Que eu não te abraçarei como numa noite de verão.
Logo eu que pensava ser forte suficiente a ponto de não temer a morte.
Mas minhas memórias felizes, meus pensamentos tristes
Não vão me fazer esquecer todo o caminho que percorri pra pôr os pés aqui.
Todos os estranhos que tornaram-se amigos,
Todos os amores que eu achei que havia perdido,
Todas aquelas historias que serão contadas por quem ficou
Disso eu jamais esquecerei.
Mas depois de tudo isso uma coisa boa eu posso dizer:
Eu fui abençoado a ter pessoas que estavam comigo do sol à chuva.
Mas agora é tempo de não pensar em voltar atrás
Absorver cada experiência vivida
Como as historias neste rio contidas.
Pois a vida também é um rio,
Onde as águas podem não ser as mesmas,
Mas os peixes ali viverão e multiplicarão.
Agora é pouco o tempo que nos resta,
Mas nunca é tarde pra se viver um grande amor,
Com os todos os amigos ao redor
A vida é uma musica que pra sempre eu vou cantar.

Madrugada 26

Todos dorme, eu ainda não. Não sei quanto tempo isso vai durar, esse sentimento, esses olhares. Toda vez que olho pra ela imagino outra história feliz ao lado dela. Tento imaginar ao menos um fim de tarde com ela, até pergunto o que ela pensa de tudo isso. Nenhuma resposta satisfaz, nem o meu esperado ‘não’ vem. Ah como eu queria mostrar pra ela só um pouco do que eu sentia. Mas penso que não faz sentido, ela me vê apenas como um outro amigo. Eu não tenho pressa, o tempo sim. Mas se você pedir eu espero o tempo, o tempo certo de você dizer sim.

Sobre você e a chuva.

Eu queria poder te mostrar como está lindo o céu lá fora. Eu queria que você estivesse aqui para sentimos o cheiro da chuva, conversar sobre qualquer bobagem. Com você o assunto não importa, nem o clima, estar com você é suficiente pra mim. Se você sentir frio eu posso te abraçar, você pode sorrir agradecida, aquele sorriso tímido que só você tem. O mesmo sorriso que não consigo esquecer…Por quê?! Tá sendo complicado te querer de tal forma, você bem que podia simplificar. Hoje eu aceitaria até um “Não” teu, é bem melhor que essa incerteza. Não te esqueceria facilmente, mas ao menos saberia que tinha que esquecer, diferente de agora que não sei se o que estou fazendo é certo, ou não. Ah, e se tu dissesse ‘sim’, seria envergonhada, eu sei, tua timidez também me encanta. Eu faria tudo que meus sonhos conseguem alcançar, pra não te deixar partir jamais. Mesmo sem palavras tu me faz feliz. Demais. Porque não volta logo? Espanta essa minha solidão com aquele mesmo ‘oi’ sem pretenções, que me deixa esperançoso, me faz cegar para o resto do universo, e só enchergar você. Me deixa tentar fazer você feliz, olha pra mim e diz que sim.

A luz da lua sobre o mar

Não pense que é fácil assim
Fazer você saber
E lembrar daquela noite
Que sem querer você me fez feliz
Tua voz perguntando
Se eu tinha mesmo que ir
Te olhar naquele instante
Que eu tive de partir
Você na porta olhando pra mim
E sem palavra alguma a gente se despediu
Eu lembro que você sorriu
[…]
Tá vendo,
É dificil eu te esquecer
Embora muitos insistam em me confundir
Eu sei muito bem porque eu vim aqui
Vim falar pro meu amor
Eu vim falar do meu amor.