Segunda Chance.

Eu engano a todos, e até finjo te esquecer. Disfarço meus sorrisos, uso minha melhor máscara de tristeza, para os outros não perceberem. Minha alegria é tua alegria. Minha tristeza é agora meu passado esquecido, como os erros que nos ensinam o caminho certo. Com você eu posso ser feliz, eu posso ser mais livre. Com você eu posso dizer coisas que jamais pensei dizer para alguém. Pois você me faz sentir em casa novamente, mesmo estando em qualquer lugar. Em teus braços eu sei que mal nenhum será suficiente para deixar de te dar aquele sorriso que por tempos escondi só para mim.

Abril.

Isto ainda não é o post (embora na verdade seja), mas eu queria falar de Abril. Abril é o mês de coisas boas, desde que eu ouvi “Incertezas”, ao menos. É nele que maior parte dos meus amigos próximos completam aniversário. É para ele que existem as promessas das melhores coisas do ano, espero que se realizem.

– POST.
Quisera Deus que todas aquelas vezes que ela me chama de ‘meu amor’ fossem sinceras. Mais que sinceras, fossem verdades. Que não fosse apenas uma forma de me tratar bem, que ela dissesse aquilo (por assim como eu) ela sente por mim algo maior que a distância dos dias que demoram para eu a ver. Da mesma forma eu queria que os “Eu te amo” fossem mais que palavras doces ditas entre a saudade e felicidade. Seja como for, seja o que for, eu prefiro que seja tudo real. É, é verdade. Desta vez que quero sofrer, e quero ainda mais ser feliz. Eu quero arriscar, e não só de longe, eu quero te ver e dizer tudo na tua cara. E se você concordar eu quero um abraço, se não eu te desejo boa noite e volto para casa. Seja o que for desta vez, que seja. E se for para doer, que seja a mais forte das dores. Se for tristeza, que me traga de volta a melancolia. Mas se for amor, eu quero mais que planos e promessas de felicidade, eu quero confiança. Mais que tudo, sendo o que for, eu quero que seja com você. Só com você.

N° Dois

Poxa, eu tenho tanta coisa para dizer. Eu tenhos segredos sobre o que eu sinto, e por quem eu sinto que precisam ser exilados de mim o mais rápido possível. Mas antes, antes de tudo, antes de qualquer outra coisa, eu preciso de primeiro a ela. Pois esses segredos falam dela, para ela. Se ela soubesse ao menos 1/4 do que eu tenho pensado nestes últimos dias monótonos. São dias chovosos, em sua maioria frios, solitários, o que aumenta em mim o desejo de te ver. Num final de semana, quem sabe?…Seja quando for, seja como for, que seje em breve.

Vou tentar escrever sempre que poder. Estou com saudades daqui. Abraços a todos.

…Alô?

Eram luzes, os relâmpagos. Parece que o céu vai desabar. Uma ligação com uma bateria quase no final. Tua voz falhava, fraco era o sinal…
– “Tu vem para aqui me ver?”, disse ela.
[Ptzzz]
– “Vou, se tu for eu vou.”
– “Venha, te espero”.
– “Ok, eu vou, antes da chuva, às 18h.”
– “Saudades…”
– “Também, muitas…”
[Trovões]
– “Tenho que desligar agora, me liga depois!” – eu disse.
– “Claro que sim, mais tarde. Quero te ver, te abraçar, quero estar com você, não aguënto mais de saudade…” – disse ela com voz meio tremula.
– “Tamb…”
[Tu-tu-tu..]
Sinto me tão tolo de abrir mão disto. Mas eu não sabia que eu ia te encontrar, não sabia. Se eu soubesse não mudaria nada naquele instante, só pra estar ao lado teu. É, agora só chuva, chuva e saudade.