Conversas com o criado-mudo

§1 – Pare por alguns segundos, quatro são suficientes. Observe as coisas ao seu redor. O mundo não parece ser ‘redondo’ demais? Engraçado ver que olhar ao redor nos dê a falsa impressão que tudo nos rodeia, que somos o centro do mundo.

§2 – Agora, depois disso, olhe pra dentro. É engraçado ver como tão pequenos nós ainda somos grandes. Universos infinitos que cabem dentro de um metro e sessenta, setenta ou menos que isso. Somos infinitos universos microscópio-singulares de mundos diferentes, ou talvez sejamos sementes de um mesmo fruto, ou querendo gerar o mesmo fruto.

 §3 – Talvez o fim seja a piada que não teve graça, o show sem aplausos, uma discoteca de músicas melancólicas. Talvez estar morrerendo seja a pior coisa que me aconteceu, mas não morrer. Talvez o fim do amor venha no começo do banal. Que seja dada a devida importância para as coisas devidamente importantes. Um “não” em uníssono para a desistência antecipada e para a decisão não tomada. Um brado ao errar e ao reconhecimento do erro, e ao que vir depois também.

§4 – Para todas as desculpas e coisas não ditas há também respostas e justificativas não ouvidas. Só cobre aquilo que está também ao teu alcance. Ser feliz é muito mais do que sorrir, e você nem sabe ainda, querida. Amar é muito mais que estar ao lado o tempo todo, e sim estar lá sempre quando necessário.

Anúncios

Tudo que eu sei pensar em dizer

De tudo que eu sei pensar em dizer, a única coisa que eu sei dizer é: eu te quero tanto. Tanto assim que não dá pra medir, é tanto que torna-se clichê qualquer tentativa de descrever. Talvez pra você que lê seja algo simples, pequeno, qualquer, mas para mim, meu caro, é algo tão valioso que só sendo recíproco para ser maior. 

– O amor vai ser amor quando nada mais for, meu bem.

rascunhos #05

Eu queria saber o que se passa em sua cabeça quando você caminha assim sob a chuva, ou olhando ao sobrado de ladrilos amarelos, ou quanto atravessa a avenida balançando os cabelos. Eu queria saber o que você sente enquanto põe seus óculos escuros e vê a cidade crescer a seu redor. O que eu quero não se faz mais necessário, se você sorri, eu já esqueço tudo aquilo que eu sempre quis.

gritos e sussurros.

“Eu pensei que fosse difícil gritar pro mundo inteiro o que se sente. Eclodir sentimentos para a multidão que é ninguém, é simples, fácil, rápido e direto. Gritar, pôr em alto-falantes, pixar num muro, escrever no vapor do espelho do banheiro, te falar ao telefone, com aviões desenhando em fumaça no céu, isso é bobagem.

Pensei que falar para você, seria mais fácil. Errei, é a coisa mais difícil do mundo. Sussurar todas as verdades sobre o que eu sinto ao teu ouvido, isso sim é difícil.”